Colcha de Retalhos

colcha de retalhos

Aqui estou eu de novo, tendo como tema a felicidade. É que pra mim é tão contagiante escrever sobre esse tema quanto é saber que ela está tão próxima de nós, mais do que imaginamos.
Para alguns a felicidade parece algo distante e irreal, que somente poucos são os felizardos com esse direito, enquanto o resto da humanidade está condenado a viver no sofrimento.
Outros ficam esperando uma fada madrinha aparecer para realizar todos os seus desejos e assim finalmente poder ser feliz.
Tem aqueles que acham que a felicidade está condicionada a acontecimentos futuros. Assim, serão felizes quando conseguirem um emprego melhor, quando casarem, quando tiverem filhos, quando os filhos crescerem, quando os filhos casarem, quando se separarem, quando se aposentarem e tantas outras coisas. Porém, não é capaz de sentir que a felicidade depende muito mais de cada um do que de acontecimentos externos.

Por falar em depender de nós, lembrei-me da letra de uma música de Ivan Lins e que traduz tão lindamente a simplicidade do que é a felicidade.

“Depende de nós, quem já foi ou ainda é criança
Que acredita ou tem esperança
Quem faz tudo pra um mundo melhor
Depende de nós que o circo esteja armado
Que o palhaço esteja engraçado
Que o riso esteja no ar
Sem que a gente precise sonhar….”

Assim como na letra dessa música, a vida me ensinou que com pequenas doses diárias posso construir minha felicidade e que depende muito mais de mim, do meu estado de espírito do que do outro, ou dos acontecimentos.
Aprendi que posso acordar e me sentir feliz por ter mais um dia para lutar pelo que eu quiser ou simplesmente me sentir infeliz por ter muitas obrigações.
Posso escolher cantar uma linda música enquanto tomo meu banho ou posso reclamar porque ainda estou com sono.
Posso sentir um prazer imenso em tomar meu café da manhã, ou comer sem nem sentir o sabor do alimento.
Posso sair com minhas amigas depois do trabalho e dar boa gargalhadas ou posso voltar correndo pra casa de cara amarrada.
Posso escolher o prazer de estar em minha companhia ou me lamentar por não ter companhia alguma.
Posso escolher colocar uma música e dançar até meu corpo se sentir exausto de prazer ou posso permanecer com meu corpo rígido como um carvalho.
Posso correr atrás dos meus sonhos ou ficar sentada me lamentando, achando que não vale a pena porque nunca vou conseguir.
Posso escolher fazer um programa romântico com o meu amor ou posso achar que já não tem mais graça, afinal já estamos casados há tanto tempo.
Posso somar essas pequenas coisas e outras tantas mais e construir minha felicidade assim como se junta pedaços de tecidos coloridos e se confecciona uma linda colcha de retalhos, ou posso achar que a vida é mesmo sem graça e que a felicidade não existe.
Seja qual for minha escolha, continua em minhas mãos.
E eu escolho fazer a mais linda e cheia de vida colcha de retalhos que sou capaz.

7 comentários sobre “Colcha de Retalhos

  1. De fato, muito da felicidade não está nas circunstâncias em si, mas sim, na forma como as encaramos. De certa forma, é uma escolha. Escolhemos ser felizes. Ou não. Sempre esperamos da vida momentos de emoções avassaladoras, mas a felicidade, como bem mencionaste, é feita mais da soma de pequenos prazeres usufruídos na simplicidade do dia a dia do que destes momentos fantásticos que idealizamos. Ótima reflexão! Beijos no coração! Fernanda

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s